Que alegria é ter-te, nuvem
Alívio de minha visão periférica
Tu, de algodão quando as arestas
São o tempo inteiro e mais algumas facas

Quis a natureza que existíssemos
E para isso inventou também nuvens
A natureza crudelíssima
Que bate e assopra

Mas tu, nuvem
Tu és minha esperança de chuva e choves
No meu dorso curvado e árido
Antes, durante e depois do deserto.
.

Adriane Garcia
Postar um comentário

Visita

O poeta esteve aqui Disse-me que viu sorrir Meus olhos em suas mãos... Como mente este poeta Com sua...