A Cegueira de Édipo
























Caminha errante o velho rei da terra,
sangrando a cada passo o seu desterro.
Pesa-lhe luz demais, ausência de erro
e de noite — montanha que o soterra.

Cego de sua verdade, desenterra
do peito transfixado não o ferro
que o punge por inteiro, nem o berro
que lhe sobe das entranhas, enquanto erra.

Com sua garra terrosa de mendigo,
busca arrancar da carne não a morte
que o rodeia na treva, vinho forte

desde sempre provado. O desabrigo
que o atormenta é outro: sol candente
que vara a sua cegueira — e o faz vidente.


Hélio Pellegrino
Postar um comentário

Cavaleiros da Ordem dos Templários

Juraste sem medo Servir tuas ordens Honrar tua farda e teus dogmas Libertar a terra sagrada De deus. ...