RASCUNHO

















Quem explica a logística da órbita?
O que leva a caneta a ferir a página?
O que leva a escrita a alcançar a lágrima?
Por que se aproxima se depois se afasta?

Se é pela paz que a gente briga
Se é pra sorrir que a gente chora
Quem vai controlar o rumo dessa história?

Se na equidistância entre os pontos
Se no alinhamento dos planos
Lua e sol nunca se encontram

Se te alertassem
que não atinges teu ápice
mostrando teus superpoderes
mas sim nos teus momentos frágeis
talvez te visitasse outra galáxia
talvez desativasse o pára-quedas

Respiro
Rabisco meu próprio infinito
Sou só caminho, rascunho
Incessante tentativa


Alan Salgueiro
Postar um comentário

Canção amiga

Eu preparo uma canção em que minha mãe se reconheça, todas as mães se reconheçam, e que fale como dois olhos...