RASCUNHO

















Quem explica a logística da órbita?
O que leva a caneta a ferir a página?
O que leva a escrita a alcançar a lágrima?
Por que se aproxima se depois se afasta?

Se é pela paz que a gente briga
Se é pra sorrir que a gente chora
Quem vai controlar o rumo dessa história?

Se na equidistância entre os pontos
Se no alinhamento dos planos
Lua e sol nunca se encontram

Se te alertassem
que não atinges teu ápice
mostrando teus superpoderes
mas sim nos teus momentos frágeis
talvez te visitasse outra galáxia
talvez desativasse o pára-quedas

Respiro
Rabisco meu próprio infinito
Sou só caminho, rascunho
Incessante tentativa


Alan Salgueiro
Postar um comentário

Declaração de bens de família

Cadeiras e sofás, consolo e jarra, camas e bules, redes e bacias, a caixa de charão, o guard...