ALMOÇO DE DOMINGO


Na escama de prata do domingo
um poema escrito
temperado com alho
cheiro-verde
cebolinha
alecrim

Repartem com garfos e facas
A fome
O alívio
A barriga cheia

Bocas apimentadas de sorrisos
sorrisos arrumados no outono

No outono bordado na toalha da mesa
no outono pintado nas flores dos pratos de porcelana
sujos de feijão

Famílias em círculo
entardecem memórias dissolvidas num auto-retrato.


Carlos Orfeu
Postar um comentário

Diz Mal do Amor que o Feriu Inesperadamente

Era o dia em que o sol escurecia Os raios por piedade ao seu Fator, Quando eu me vi submisso ao vivo ardor De teu...