Meus olhos desertos
Buscam alívio
Na sede do poema.
Sede que embebe
Mares grávidos de sentidos.
O mundo pariu as areias
Do semi-árido passarinho
Voo-me por dentro
E sou sempre sem ninho.


Paula Beatriz Albuquerque
Postar um comentário

Apelo

Porque não vens agora, que te quero E adias esta urgência? Prometes-me o futuro e eu desespero O futuro é o d...