Monólogo





















Estar atento diante do ignorado,
reconhecer-se no desconhecido,
olhar o mundo, o espaço iluminado,
e compreender o que não tem sentido.


Guardar o que não pode ser guardado,
perder o que não pode ser perdido.
— É preciso ser puro, mas cuidado!
É preciso ser livre, mas sentido!


É preciso paciência, e que impaciência!
É preciso pensar, ou esquecer,
e conter a violência, com prudência,


qual desarmada vítima ao querer
vingar-se, sim, vingar-se da existência,
e, misteriosamente, não poder.


Dante Milano
Postar um comentário

Soneto XX

Tens a face de mulher pintada pelas mãos da Natureza, Senhor e dona de minha paixão; O coração gentil de mulher, mas ave...