Perder sem se perder























Foram-se, os amores que tive;


ou me tiveram.
Partiram.
Num cortejo silencioso e iluminado.
A solidão me ensina a não acreditar na morte,
nem demais na vida:
cultivo segredos num jardim,
onde estamos eu,
os sonhos idos,
os velhos amores e os seus recados,
e os olhos deles que ainda brilham,
como pedras de cor entre as raízes.


Lya Luft
Postar um comentário

Coqueiral

A saudade é um batimento que rebenta assim vinte e oito vezes desde meu ombro tatuado de desastre até à rosa pendur...