A Inconsciência do Saber





















Levemente, as sucetibilidades te atrasam
Teu corpo sem fôlego
Como um rio sobre um côrrego
É tanto alimento que vazam


A tristeza engordura tua face
Com seu sombrio olhar
E num vento você ver rasgar
A ingratidão de teu disfarce


O medo de perder te contém
Na briga pelo território
O teu coração bode expiatório
Das dores que te controlam


O possuir é tão fraco
Como deixar-se escapar
Os opostos formam par
"O ser ou não ser" não deixa rastro


Henrique Rodrigues Soares - A Natureza das Coisas
Postar um comentário

Declaração de bens de família

Cadeiras e sofás, consolo e jarra, camas e bules, redes e bacias, a caixa de charão, o guard...