ás









desordem violenta
todos os movimentos
estáticos às 6 da tarde

antenas de bombril do rádio
captam o exaspero do sangue
o magma dos gritos

tímpanos se desesperam
na microfonia do caos
não adianta ranger dentes

nos rosários e nem acender
labaredas de santos nos recantos
caninos das imundas calçadas

a desordem cavalga
na dor que não se deita
com aspirina nem droga nenhuma

se contorce atrás da jaula
cinética do olho e não
foge pelas glândulas


Carlos Orfeu
Postar um comentário