Dizer Não!




















Vejo-me como um poeta,
Guardo minhas rimas no bolso.
Vejo-me como um poeta
que não gosta de flor, que não tem gosto.
Vejo-me como uma luz,
que pode brilhar intensamente.
Vejo-me como um poeta
que não fala, nem sente.



Luiz Alexandre de Andrade Lima -23/10/1994
Imagem da Internet
Postar um comentário

Declaração de bens de família

Cadeiras e sofás, consolo e jarra, camas e bules, redes e bacias, a caixa de charão, o guard...