Súplica


















Que nunca se tire o sorriso da face,
Do pássaro as asas, o perfume da flor,
Do violão as cordas, o harmônico enlace,
Da manhã o sol, do coração o amor.

Oxalá o violão o seu som não calasse
Cravando no peito o silêncio da dor
E o sol, por sua vez, a ninguém se ocultasse
Varrendo do mundo a beleza da cor.

Sem asas o pássaro só vê o tormento,
Sem sol na manhã, só tem escuridão
Tirando da alma o vigor, o sustento.

O amor é magia que dá voz à canção,
Que nunca se prive a alguém este alento:
Seria apagar desta vida a razão.


Cladi C.A.Levandowski - In euniverso


Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...