O Poeta de Hoje



























Na página branca de uma tela de computador
Em meio à solidão do quarto
Ou aos ares púrpuros da natureza
Os dedos vão teclando palavras
Que saem caladas repleta de sentimento.


O papel sede para um software
A caneta é um teclado,
Tecnologia que aperfeiçoa
Facilitando sem necessidade
De rabiscos e folhas jogadas ao lixo.


Porém a emoção que saem em inspiração
É a mesma tal qual do passado
Que expressa o belo, a sutileza
A alegria, ou a tristeza
Nas lindas poesias
Que saem da alma do poeta
E extravasam em corações
Dos amantes das letras.


Ataíde Lemos
Postar um comentário

Declaração de bens de família

Cadeiras e sofás, consolo e jarra, camas e bules, redes e bacias, a caixa de charão, o guard...