Desejos sensuais da Noite


























No acordar, no nascer da volúpia
ansioso pelo ópio do corpo
envolvente, transeunte, dominador
vejo me entregar


Se espero, é por momento mais sincero
por algo devolvido
em troca do proibido
que despercebido minha boca tocara


Os encantos, o cheiro do desejo
o crime que não se percebe
o mal que não se concebe
está dentro de nós


De pecados santos
encheu-se meu coração
as línguas numa guerra
de espaços
lutam e se abraçam em laços
de sangue, carne e ossos.


Henrique Rodrigues Soares - A Natureza das Coisas
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...